Vértigo - Material de Campanha

Material de Campanha

Saturday, January 28, 2006

House Rule #15

Relativa ao Faerie Magic dos Merinita

Os ranges, duration e targets especiais para os Merinita com Faerie Magic somente podem ser usados na Fadolândia. As magias, porém, se feitas dentro de uma regio, podem afetar o mundo dos homens.

A duração condition precisa basear-se em fato possível a qualquer momento.

House Rule #14

Relativa às Regras de Combate

Continuaremos usando as regras da 4a. edição para combate em todos os seus reflexos, mantendo-se portando as habilidades com armas inalteradas, dano, fadiga e estatísticas das armas e armaduras. As demais house rules relativas a combate permanecem inalteradas.

House Rule #13

Relativa ao Uso de Vis

Para todo os efeitos de sistema, continuaremos usando as regras da 4a. edição para o vis boost de magias: cada peão de vis usado confere um bônus de +5 à magia em execução.

House Rule #12

Relativa ao Ganho de Experiência com a Leitura de Summa, Treino e Prática

Agora o source passa a ser igual à qualidade da obra estudada somada à inteligência do estudante. Qualquer preocupação ou distração durante a temporada pede um teste de concentração + inteligência, com número alvo arbitrado pelo mestre. Para cada ponto no resultado total obtido abaixo deste número, atribui-se um modificador de -1 no source, no limite de -5, depois do qual, perde-se a temporada completamente.

Summa Source = Quality + Intelligence


Modificamos a regra do ganho de experiência para treino:


Training = 5xp (fixo) + communication do mestre + inteligência do aluno

Modificamos também a regra da prática, fixando o ganho de experiência a 4 pontos por temporada:

Practice = 4 xp (fixo)

House Rule # 11

Relativa à Virtue Strong Faerie Blood

Modificamos a virtude Strong Faerie Blood. Em vez de fixar a idade em que se começa a ser feito o aging roll, agora passa a fixar apenas um prazo de +15 anos do que o normal; no caso de nossa campanha, aos 40 anos. Desta forma, um personagem com esta virtude só fará aging rolls aos 55 anos.

House Rule #10

Relativa à Virtue Strong Writer e à Flaw Weak Writer

Atualmente, na 5a. edição, não há a virtude strong writer nem a flaw weak writer. Instituímos estas qualidades como minor virtue e minor flaw, respectivamente.

Strong Writer (Minor Virtue): Quando for relevante, o personagem copia determinada obra duas vezes mais rápido, exceto no caso de summa, cuja cópia é feita com eficiência ampliada em apenas um terço.

Weak Writer (Minor Flaw): Quando for relevante, o personagem copia determinada obra com metade da eficiência, exceto no caso de summa, cuja cópia tem eficiência reduzida em um terço.

Wednesday, January 25, 2006

House Rule #9

Relativa ao Craft: Alchemy

Alchemy vira um Craft normal. Caso o mago ou companion deseje ter tal habilidade, precisa comprar um minor merit chamado Alchemist, pois trata-se de um segredo.

Caso o personagem tenha O Dom, a alquimia pode produzir efeitos análogos à magia hermética. Caso não tenha, é apenas portador de conhecimento alquêmico e da teoria relativa à alquimia, porém sem jamais produzir efeitos.

House Rule #8

Relativa à Economia de Vis no Tribunal da Ibéria

Pela disponibilidade no Tribunal da Ibéria, o valor básico do vis segue os seguintes princípios no mercado.

1 peão de vis de técnica = 3 peões de vis de forma.

Das técnicas:

Intéllego = 3x
Muto e Rego = 2x
Creo e Perdo = 1x


Das Formas:

Mentem e Imáginem = 3x
Animal, Aquam, Auram, Corpus, Herbam, Ignem e Terram = 2x
Vim = 1x

House Rule #7

Relativo aos Called Shots

Não se usa called shot em close combat. Caso o alvo tenha uma alocação específica necessariamente a ser atingida, modifica-se o número alvo por um valor igual ao size da alocação em questão. Depois do dano, o mesmo valor (o size) é somado ao dano. Esta house rule é análoga à Lei Tristan, house rule #3.

House Rule #6

Relativa ao Uso de Longbow em Floresta

Ao long bow, aplica-se uma penalidade de -3 ao attack total no caso de combate dentro de floresta, além de todas as demais aplicáveis, por conta da cobertura vegetal que dificulta a parábola a ser percorrida pela flecha. Se o arqueiro passar 1 round à procura de local apropriado e achar, mediante teste de perception + longbow, número alvo 15, a penalidade é anulada.

House Rule #5

Relativa ao Range das Missile Weapons

Alteram-se os ranges do shortbow e do crossbow para middle range. Aplica-se um modificador de +6, cumulativo, para cada categoria de range abaixo daquele efetivo da arma.

House Rule #4

Relativa ao Dano de Longbows e Crossbows

O dano dos longbows e dos crossbows é dividido por 5 e não por 2 depois de subtrair-se o soak do alvo do attack total, de acordo com o que sugerem as regras do ArM 4ed.

House Rule #3

Relativa a armaduras que repelem ataques (Lei Tristan)

Para ataques a alvo que veste armadura encantada que repele ataques, aumenta-se o número alvo, no caso de tiros, com um modificador igual ao size da área exposta pela armadura e mirada pelo agressor (p. ex. tiro mirado na face = +5). Dobra-se este número alvo devido ao "índice de refração" da magia impregnada na armadura, que altera a tragetória do projétil. Em combate direto, soma-se à defesa o size da área exposta e dobra-se o resultado.

Ranged Combat: (número alvo base + modificadores normais + size da área exposta) x 2 = número alvo

Close Combat: (defense total base + size da área exposta) x 2 = defense total


Caso seja bem sucedido o ataque ou o número alvo do tiro seja alcançado ainda assim, o agredido não soma a seu soak o valor relativo à armadura e o agressor soma ao dano o número igual ao size da área exposta.

House Rule # 2

Relativa à Modificação as categorias de Target para magia: Group e Room

Group: Um grupo distinto de mais de uma pessoa.

Room: Não precisa ser necessariamente um ambiente fechado ou haver paredes. Refere-se a uma área que ocupa no espaço, aberto ou fechado, o equivalente a no máximo 240 metros quadrados.

House Rule # 1

Relativa à virtue chamada Personal Vis Source

Anulamos esta virtue e colocamos no lugar o antigo Secret Vis Source (do ArM 4ed.), com o nome alterado para apenas Vis Source.

O funcionamento é o seguinte: é uma hermetic virtue, que pode ser comprada na modalidade major hermetic virtue (chamada Intéllego Vis Source) ou na modalidade minor hermetic virtue (chamada Common Vis Source).

Common Vis Source: Esta minor hermetic virtue confere ao personagem uma fonte de vis, secreta aos demais, que gera toda temporada 1 peão de vis de uma forma específica, pré-determinada. Pode ser comprada junto a uma outra minor virtue que pode ser de dois tipos: Technique Vis Source ou Common Source.

Technique Vis Source: Esta minor hermetic virtue só pode ser comprada em conjunto com a virtue Common Vis Source e a modifica da seguinte maneira: a fonte de vis passa a fornecer 1 peão de vis por temporada de uma técnica específica e pré-determinada, exceto intéllego.

Common Vis Source: Esta minor hermetic virtue só pode ser comprada em conjunto com a virtue Common Vis Source e a modifica da seguinte maneira: a fonte de vis passa a fornecer 1 peão de vis por temporada, de uma forma aleatória, determinada ao acaso a cada período.

Intéllego Vis Source: Esta major hermetic virtue confere ao personagem uma fonte de vis, secreta aos demais, que gera toda temporada 1 peão de intéllego vis. Pode ser comprada junto a uma outra minor virtue que pode ser de dois tipos: Random Vis Source ou Noble Vis Source.

Random Vis Source: Esta minor hermetic virtue só pode ser comprada em conjunto com a virtue Intéllego Vis Source e a modifica da seguinte maneira: a fonte de vis passa a fornecer 1 peão de vis por temporada, de uma forma ou técnica aleatória, determinado ao acaso a cada período.

Noble Vis Source: Esta minor hermetic virtue só pode ser comprada em conjunto com a virtue Common Vis Source e a modifica da seguinte maneira: a fonte de vis passa a fornecer 1 peão de vis por temporada de uma forma aleatória, determinada ao acaso a cada período.


(o disposto acima modificou o texto da house rule #1 antes em vigor e transcrito abaixo, em virtude de mudança no sistema de merits & flaws que trouxe a 5a. edição do Ars Magica)

O merit chamado secret vis source passa a ter um valor variável, sendo +1 se o vis produzido for relativo a uma forma, +2 se for relativo a uma técnica ou variável somente em formas, +3 se for de intellego ou variável em técnicas e formas e +4 se for variável somente em técnicas.

Tuesday, January 24, 2006

Estatuto do Consílio de Alcornoque

Estatuto do Consílio de Alcornoque - 1229 d.C.

Preâmulo:

Salve sodales!

Eu, Hieronimus de Criamon, ex-membro da Casa de Santiago, convoco-lhes a participar da criação de um novo consílio dentro da jurisdição do tribunal da Ibéria.

O que ofereço, jovens magos, é a oportunidade de trocarmos conhecimentos e avançarmos na análise da Teoria Universal da Magia de Bonisagus, dentro das novas perspectivas que alcancei depois de décadas de estudo sobre os limites mágicos.

Temo que passemos por maus bocados na primavera de nossa nova casa, mas espero um verão generoso e um outono duradouro à nossa frente. O que desejo é um novo espaço onde a sujeira e o ardil, perene entre os magos da ordem, não interfira no verdadeiro objetivo da magia: quebrar limites e alcançar novos horizontes.

Comprometo-me a tratar meus novos companheiros como se aprendizes meus fossem e ambientá-los nestas terras se necessário for; esperando o mesmo comprometimento e fidelidade daqueles que virão.

Em dentro de um ano, na Primavera de 1220, reunirei todos os pretendentes à filiação nas ruínas do palácio dos Pombos, próximo a Santiago de Compostela, para a escolha dos mais aptos.

Hieronimus de CriamonCompostela, aos 12 dias de Abril do ano de 1219

Artigo Primeiro: Membros

I - Membros são todos os magos que fazem parte do Consílio de Alcornoque e que, expressamente, concordaram com os termos e normas presentes no Estatuto, mediante assinatura ao fim deste documento.

II - A cada dois anos, cada membro deve prestar uma temporada de trabalho ou serviços ao Consílio.

III - Um candidato a novo membro só será aceito em reunião do Conselho, mediante votação unânime e quórum máximo. Uma vez aceito, deve jurar respeito ao Estatuto e à Ordem de Hermes e lavrar assinatura ao fim deste documento.

IV - O candidato deverá escolher um patrono, responsável por ele, a quem deve relatar-se sempre que questionado e passar por período de um ano de avaliação, durante o qual prestará um serviço ao Consílio, designado por seu patrono e aceito pelos demais membros. Ao longo deste período o candidato poderá participar das reuniões do Conselho, mediante convocação, sem direito a voto, e terá acesso proibido aos dois andares superiores da biblioteca.

(Nota: Redação deste inciso IV dada pela Emenda Primeira, de 20 de outubro de 1227)


V - Todos os membros devem compartilhar seus livros e feitiços com todos do Consílio.

VI - É vedado aos membros realizarem Certamem dentro do Consíli sem o aviso prévio de pelo menos 2 dias, a fim de se obter todos as testemunhas necessárias.

VII - Todo membro tem o dever de declarar recursos mágicos e sobrenaturais, herméticos ou não, tais como fontes de vis, vis crú, ítens mágicos, animais mágicos, livros, textos e pergaminhos herméticos e poções de todo gênero, obtidos em campanha pelo Consílio ou em atividade particular, dentro ou fora dele.

VIII - Todo membro tem o direito de convocar Conselho a qualquer tempo.

IX – Todo membro tem acesso a ítens mágicos, vis e ao conteúdo da biblioteca, tendo o dever de conservar o bom estado dos bens que usou.

X - Em caso de necessidade ou urgência todos os membros devem proteger o Consílio por todos os meios necessários.

XI - Se um membro for ferido em dever ao Consílio cabe a ele o dever de arcar com qualquer meio necessário para curar o membro.

Artigo Segundo: O Conselho

I - Designa-se como Conselho a reunião de todos os magos membros do Consílio em assembléia. Ele pode ser convocado por qualquer membro a qualquer tempo e transcorrer imediatamente após a convocação, mas os membros não presentes terão o direito a voto posterior, contanto que se manifestem neste sentido dentro de um mês.

(Nota: se um jogador ausente na sessão do conselho estiver presente na sessão seguinte, ou manifestar-se via mail dentro de uma semana, terá direito ao voto tardio.)


II - Todo membro pode passar seu direito de voto a qualquer outro membro, desde que a autenticidade de sua intenção e identidade possa ser averiguada.

III - As medidas simples serão aprovadas por maioria simples de votos dos presentes, sendo o quórum mínimo para a proposição de qualquer medida de metade do total de membros, exceto nos demais casos previstos por este estatuto.

IV - Haverá, sem necessidade de convocação, uma reunião no último dia de cada temporada, para prestação de contas e declaração de ações referentes à temporada seguinte. A prestação de contas é obrigação de todo membro, e deve ser feita a qualquer momento, mesmo em caso de ausência.

Artigo Terceiro: A Biblioteca

I - O bibliotecário tem acesso irrestrito a qualquer livro do Consílio e deste é esperado esmero na guarda de qualquer livro.

II - O bibliotecário deverá anotar o nome de cada um que retirar um livro da biblioteca. Passada uma temporada, o bibliotecário pode pedir para checar o estado do livro a quem o retirou.

Artigo Quarto: Vis

I - O vis conseguido em sítios do Consílio deve ir para o estoque e, depois de registrado, ter seu uso aprovado pelo Conselho.

PARÁGRAFO ÚNICO – No caso da extração de vis dentro do sítio do Consílio usa-se o inciso III deste mesmo artigo.

(Nota: Parágrafo único inserido no Estatuto de Alcornoque pela Emenda Primeira, de 21 de março de 1227)

II - Depois de separado do estoque o vis necessário para a manutenção do Consílio, o restante será dividido igualmente entre todos os magos, da maneira que o Conselho melhor decidir.

III - De todo vis obtido por mago em seu horário livre, metade deverá ser compartilhada com o Consílio; caso não seja possível tal separação, o Conselho pode exigir reparação em vis do mago em questão.

IV - O vis do Consílio só poderá ser vendido ou trocado mediante aprovação do Conselho.

Artigo Quinto: Itens mágicos

I - Qualquer item mágico conseguido por membro antes de sua filiação ao Consílio é mantido como propriedade particular, não havendo necessidade de ser compartilhado.

II - Itens mágicos conseguidos com recursos do Consílio são de uso comunitário. Caso dois ou mais membros queiram utilizar o mesmo item, a definição de quem irá utilizá-lo deve ser de responsabilidade do Conselho.

III - Itens feitos com recursos próprios são de quem os confeccionou .

IV - Caso o magus crie ou encontre algum item e o doe para o Consílio ,o doador terá direito de vetar o uso do mesmo se achar necessário em reunião do conselho.

V - O acesso a qualquer item mágico do Consílio depende de requisição ao Conselho, salvo caso de emergência, após a qual as medidas tomadas devem ser justificadas.

Artigo Sexto: Recursos

I - Todos os recursos do Consílio serão repartidos entre todos os seus membros desde que isto não interfira em seu bom funcionamento.

Artigo Sétimo: O Estatuto

I - A alteração do Estatuto, se necessária ,só poderá ser feita mediante quorum total e votação unânime.

II - Visitantes deverão ler o estatuto e jurar respeitar as regras antes de adentrar o Consílio.

III - Todos os membros devem jurar obedecer o Estatuto e, caso seja comprovada violação, os membros do Conselho podem optar pelo desligamento do transgressor do Consílio.

Assim pactuaram, aos 10 dias do mês de outubro do ano de 1222, em Alcornoque, Hieronimus de Criamon, Fobo de Bjonaer, Mattuzallem Ex-Miscellanea, Martin de Bonisagus, Philippo Razi de Tremere, Claudius Adrianus Guernicus, Eufrásio de Criamon, Paulus de Flambeau, Thiago de Merinita e Moritias Guernicus.

Magos signatários: Dario de Flambeau, Hugo de Verditius, Adelmo de Criamon, Clara de Bjonaer.

Emendas ao Regimento do Consílio de Alcornoque

Consílio de Alcornoque - 20 de outubro de 1227 – Segunda Emenda ao Regimento como proposta por Paulus de Flambeau - ALTERAMOS A REDAÇÃO DO INCISO IV DO ARTIGO PRIMEIRO DO ESTATUTO DE ALCORNOQUE, QUE AGORA DIZ: "IV - O CANDIDATO DEVERÁ ESCOLHER UM PATRONO, POR ELE RESPONSÁVEL, A QUEM DEVE RELATAR-SE SEMPRE QUE QUESTIONADO E PASSAR POR PERÍODO DE UM ANO DE AVALIAÇÃO, DURANTE O QUAL PRESTARÁ UM SERVIÇO AO CONSÍLIO, DESIGNADO POR SEU PATRONO E ACEITO PELOS DEMAIS MEMBROS. AO LONGO DESTE PERÍODO O CANDIDATO PODERÁ PARTICIPAR DAS REUNIÕES DO CONSELHO, MEDIANTE CONVOCAÇÃO, SEM DIREITO A VOTO, E TERÁ ACESSO PROIBIDO AOS DOIS ANDARES SUPERIORES DA BIBLIOTECA.” APROVAÇÃO UNÂNIME DO PLENO DO CONSELHO NA PRESENTE DATA.

Consílio de Alcornoque - 21 de março de 1227 – Primeira Emenda ao Regimento como proposta por Paulus de Flambeau - ACRESCENTAMOS O SEGUINTE PARÁGRAFO ÚNICO AO INCISO I DO ARTIGO IV DESTE ESTATUTO; PARÁGRAFO ÚNICO - NO CASO DA EXTRAÇÃO DE VIS DENTRO DO SÍTIO DO CONSÍLIO, USA-SE O INCISO III DESTE MESMO ARTIGO." APROVAÇÃO UNÂNIME DO PLENO DO CONSELHO NA PRESENTE DATA.

Decisões Adesivas ao Regimento do Consílio de Alcornoque

Consílio de Alcornoque - 20 de outubro de 1227 – Nona Decisão Adesiva ao Regimento como proposta por Claudius Adrianus - VIOLAÇÃO DO CÓDIGO HERMÉTICO - EXPULSÃO SUMÁRIA DO CONSÍLIO DE ALCORNOQUE - SERÁ EXPULSO TODO MAGO DO CONSÍLIO QUE VIOLAR O CÓDIGO HERMÉTICO, E NOTÍCIA DA VIOLAÇÃO E DA EXPULSÃO SERÁ ENVIADA AO TRIBUNAL IMEDIATAMENTE, PARA QUE SEJAM TOMADAS AS MEDIDAS CABÍVEIS. APROVAÇÃO UNÂNIME DO PLENO DO CONSELHO NA PRESENTE DATA.

Consílio de Alcornoque - 20 de outubro de 1227 – Oitava Decisão Adesiva ao Regimento como proposta por Paulus de Flambeau - FICA PROIBIDA A ENTRADA INTENCIONAL DE MAGOS DO CONSÍLIO NA FADOLÂNDIA, SALVO APROVAÇÃO EM CONSELHO E MEDIANTE APRESENTAÇÃO DE RAZOÁVEL JUSTIFICATIVA. A ENTRADA INTENCIONAL É SUBMETIDA A INVESTIGAÇÃO DE QUAESITOR DO CONSÍLIO, OU DE OUTRO MAGO NA FALTA DESTE. MARTIN DE BONISAGUS VOTA CONTRA.

Consílio de Alcornoque - 22 de junho de 1226 – Sétima Decisão Adesiva ao Regimento como proposta por Philippo Razi de Tremere - CONSELHO DE MAGOS - SEQUÊNCIA PARA DECLARAÇÃO DE RESULTADOS, AÇÕES, PROPOSTAS E REQUISIÇÃO DE VIS DURANTE O CONSELHO - OBEDIÊNCIA À ORDEM DE IDADE, DO MAIS VELHO PARA O MAIS NOVO. PAULUS DE FLAMBEAU E MATTUZALLEM EX MISCELLANEA VOTAM CONTRA.

Consílio de Alcornoque - 21 de março de 1224 - Sexta Decisão Adesiva ao Regimento como proposta por Philippo Razi de Tremere - AUSÊNCIA PROLONGADA DE MAGOS. VOTAÇÃO QUE REQUER PRESENÇA DE TODOS OS MEMBROS E DISTRIBUIÇÃO DE VIS. O MAGO QUE SE AUSENTA DAS REUNIÕES DO CONSELHO POR MAIS DE UM ANO, OU 3 ANOS CASO ESTEJA A SERVIÇO DO CONSÍLIO, PERDE O DIREITO A VOTO NUMA QUESTÃO ESTATUTÁRIA, QUE NECESSITA DE QUORUM MÁXIMO E UNANIMIDADE, PASSANDO SEU VOTO A SER CONSIDERADO EM BRANCO, NÃOI MAIS NECESSÁRIO PARA A APROVAÇÃO DO ASSUNTO EM QUESTÃO. AQUELE QUE SE AUSENTAR POR 1 ANO, ESTANDO OU NÃO EM MISSÃO DO CONSÍLIO, PERDE O DIREITO AO VIS DAQUELE ANO. MARTIN DE BONISAGUS E MATTUZALLEM EX-MISCELLANEA NÃO VOTAM.

Consílio de Alcornoque - 23 de setembro de 1223 - Quinta Decisão Adesiva ao Regimento como proposta por Paulus de Flambeau - A DISTRIBUIÇÃO INTERNA DE VIS DENTRE OS MAGOS, A CADA TEMPORADA, SERÁ REGIDA PELO PROJETO DE ECONOMIA DE VIS ANUAL, CRIADA POR PAULUS DE FLAMBEAU E CLAUDIUS ADRIANUS. APROVAÇÃO UNÂNIME DO PLENO DO CONSÍLIO NA PRESENTE DATA.

Consílio de Alcornoque - 22 de junho de 1224 - Quarta Decisão Adesiva ao Regimento como proposta por Paulo de Flambeau - REGULAMENTAÇÃO DO GASTO DE VIS - POÇÃO DE LONGEVIDADE - REQUISIÇÃO DE VIS DO ESTOQUE DO CONSÍLIO - AO PEDIR VIS DO CONSÍLIO PARA CONFECCIONAR POÇÕES DE LONGEVIDADE, O MAGO TEM DIREITO A 1 PEÃO DE VIS PARA CADA 5 ANOS DE SUA VIDA; QUALQUER VIS EM EXCESSO DEVERÁ SAIR DO ESTOQUE PARTICULAR DO PRÓPRIO MAGO. MATTUZALLE EX-MISCELLANEA VOTA CONTRA.

Consílio de Alcornoque - 22 de dezembro de 1223 - Terceira Decisão Adesiva ao Regimento como proposta por Moritias Guernicus - SERVIÇO AO CONSÍLIO. CAÇADA DE VIS MAL SUCEDIDA. UMA CAÇADA DE VIS SÓ SERÁ CONSIDERADA SERVIÇO AO CONSÍLIO SE BEM SUCEDIDA. PARA OS INTERESSES DESTE CONSÍLIO, SERÁ TIDO COMO BEM SUCEDIDO NUMA CAÇADA O MAGO QUE RETORNAR COM AO MENOS 1 PEÃO DE VIS PARA CADA TEMPORADA PASSADA FORA. MARTIN DE BONISAGUS VOTA CONTRA.

Consílio de Alcornoque - 02 de outubro de 1223 - Segunda Decisão Adesiva ao Regimento como proposta por Philippo Razi - VIAGEM DE MAGOS DO CONSÍLIO À RÉGIO - RESPONSABILIDADE DO CONSÍLIO - NO CASO DE UM MEMBRO VIAJAR, POR LIVRE E ESPONTÂNEA VONTADE, A UMA REGIO, FICANDO IMPOSSIBILITADO DE RETORNAR, E NÃO ESTANDO EM MISSÃO A SERVIÇO DO CONSÍLIO OU DA ORDEM DE HERMES, FICA O PRIMEIRO LIVRE DE QUALQUER RESPONSABILIDADE DAÍ DERIVADA, INCLUSIVE DESOBRIGADO DE AUXILIÁ-LO DE QUALQUER FORMA. MATTUZALLEM EX-MISCELLANEA E MARTIN DE BONISAGUS VOTAM CONTRA.

Consílio de Alcornoque - 10 de junho de 1223 - Primeira Decisão Adesiva ao Regimento como proposta por Paulo de Flambeau - TEMPORADA DE SERVIÇO AO CONSÍLIO - CONSIDERAÇÃO DE SERVIÇO AO CONSÍLIO TEMPORADA GASTA EM TAREFA DESIGNADA PELA ORDEM - APROVAÇÃO UNÂNIME DO PLENO DO CONSÍLIO NA PRESENTE DATA.

Vértigo - Material de Campanha

Material de Campanha

Aqui serão publicados textos relativos ao material de Vértigo, campanha de Ars Magica cujos logs de reunião encontram-se em aqui.

Neste espaços, colocaremos listas de livros da biblioteca do Consílio de Alcornoque, House Rules do grupo e informações gerais a respeito da saga para rápida referência dos jogadores.

Há outro blog relativo à campanha onde os jogadores criam textos em cima da narrativa criada em jogo.